segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

EDIFICAR O CARÁTER CRISTÃO *


EDIFICAR O CARÁTER CRISTÃO *, pg. 93 
(Mensagens aos Jovens – Ellen G. White)


Há livros de vital importância que nem são olhados por nossos jovens. São negligenciados por não lhes parecerem tão interessantes como certas leituras leves.
Cumpre-nos avisar a mocidade de que devem lançar firmemente mão dessa leitura que se recomenda para o erguimento do caráter cristão. Os pontos mais essenciais de nossa fé devem ser gravados na memória dos jovens. Eles têm tido um vislumbre dessas verdades, mas não um conhecimento que os leve a considerar com agrado o estudo das mesmas. Nossa mocidade deve ler aquilo que exerça no espírito um efeito saudável, santificador. Isto necessitam eles, a fim de serem capazes de discernir o que seja a verdadeira religião. Há muita leitura boa que não contribui para santificar.
É agora o nosso tempo favorável para trabalhar em benefício da mocidade. Dizei-lhes que nos achamos atualmente numa época de crise perigosa, e precisamos perceber o que seja a verdadeira piedade. Nossa juventude precisa ser ajudada, erguida e animada, mas pela devida maneira; não, talvez, como eles desejariam, mas de modo que os auxilie em obter um espírito santificado. Eles precisam mais da boa e santificadora religião que de qualquer outra coisa.
Não espero viver muito. Minha obra está quase concluída. Dizei aos nossos jovens que eu quero que minhas  palavras os animem naquela maneira de viver que mais atrativa será aos seres celestes, e que sua influência sobre os outros seja enobrecedora.


Recomenda-se um Escolhido Curso de Leitura

Estive, durante as horas da noite, pondo de lado livros que não são de proveito para os moços. Devemos escolher-lhes livros que os estimulem à sinceridade de vida, e os levem a abrir a Palavra. Isto me foi apresentado em tempos passados, e pensei pôr isso diante de vós, e assentá-lo. Não nos podemos permitir oferecer à mocidade leitura destituída de valor. Necessitam-se livros que sejam uma benção à mente e à alma. Estas coisas são consideradas com demasiada leveza; portanto, nosso povo se deve familiarizar com o que estou dizendo.
Não poenso que eu tenha mais Testemunhos para nosso povo. Nossos homens de sólida mentalidade sabem o que convém ao erguimento e edificação da obra. Mas, com o amor de Deus no coração, necessitam aprofundar-se mais e mais no estudo das coisas divinas. Sinto-me deveras ansiosa de que nossa mocidade receba a devida espécie de leitura; então os mais idosos também a conseguirão. Cumpre-nos conservar os olhar na atração religiosa de verdade. Devemos manter mente e cérebro abertos às verdades da Palavra de Deus. Satanás se achega quando os homens estão despercebidos. Não nos devemos satisfazer com o haver a mensagem de advertência sido uma vez apresentada. Cumpre-nos apresenta-la repetidamente.
Poderíamos iniciar um curso de leitura tão intensamente interessante, que atrairia e influenciaria muitos espíritos. Caso eu seja poupada para trabalho posterior, de boa vontade ajudarei no preparo de livros para os nossos jovens.
Tem-se a fazer pelos jovens uma obra pela qual seu espírito seja impressionado e moldado pela santificadora verdade de Deus. É meu sincero desejo, quanto aos nossos jovens, que eles encontrem o verdadeiro sentido da justificação pela fé, e da perfeição do caráter que os preparará para a vida eterna. Não espero viver muito, e deixo esta mensagem aos jovens, a fim de que o objetivo que se propõe não se venha a malograr.
Exorto meus irmãos a animar os jovens a que conservem sempre a preciosidade e graça de Deus grandemente exaltadas. Trabalhai e orai constantemente pelo senso da preciosidade da verdadeira religião. Introduzi nela a bem-aventurança e o atrativo da santidade e da graça de Deus. Tenho sentido um peso a esse respeito, pois sei que é negligenciado.
Não tenho nenhuma certeza de que minha vida se prolongue muito, mas sinto que estou aceita pelo Senhor. Ele sabe como eu tenho sofrido ao ver as baixas normas de vida adotadas pelos chamados cristãos. Tenho sentido ser imperioso que a verdade se manifeste em minha vida, e que meu testemunho seja dirigido ao povo. Quero que façais o que estiver ao vosso alcance para que meus escritos sejam postos nas mãos do povo nas terras estrangeiras.
Dizei aos jovens que eles têm tido muitas vantagens espirituais. Deus quer que façam fervorosos esforços para apresentar a verdade ao povo. Temho a impressão de que é meu dever especial dizer estas coisas. Fundamentos da Educação Cristã 547-549.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Chimamanda Ngozi Adichie: Não silencie essa voz


Escrevam programas de televisão onde a força das mulheres não sejam descrita como excepcional, mas como normal. Ensinem seus alunos a verem que a vulnerabilidade é humana e não feminina. Escrevam artigos em revistas que ensinem os homens a como manter as mulheres felizes, pois já temos artigos demais ensinando mulheres a manter os homens felizes.
Em entrevistas na mídia não esqueçam de perguntar aos homens como eles equilibram família e carreira. Nessa ideia de maternidade/paternidade como culpa, por favor dividam a culpa igualmente. Façam os pais se sentirem tão mal quanto as mães. Façam os pais compartilharem a glória da culpa. Façam campanha e mobilizem-se pela licença paternidade em todo país.
Contratem mais mulheres onde houver poucas. Mas lembrem-se que as mulheres que você contratar não precisam ser especialmente competentes. Como a maioria dos homens que são contratados, elas só precisam ser suficientemente competentes.
Recentemente, uma organização feminista gentilmente me nomeou para um prêmio importante, num país que vai continuar anônimo. Eu fiquei muito contente. Tenho tido muita sorte ao receber alguns prêmios até agora e gosto deles, especialmente os que vem com presentes brilhantes. Para receber esse prêmio eu deveria falar sobre o quão importante uma determinada escritora feminista européia tinha sido para mim. Mas a verdade é que eu nunca consegui terminar de ler o livro dela. O livro dela não falou comigo. Teria sido uma mentira dizer que ela teve qualquer influência no meu modo de pensar. A verdade é que eu aprendi muito mais sobre feminismo olhando as mulheres negociando no mercado perto de onde eu morava quando criança do que lendo qualquer texto feminista acadêmico. Eu poderia dizer que essa mulher foi muito importante para mim. Eu poderia ter feito o discurso, recebido o prêmio e um presente brilhante. Mas não o fiz. Porque eu comecei a me perguntar o que realmente significa usar esse rótulo de feminista publicamente.
Assim como também me perguntei isso após alguns trechos do meu discurso sobre feminismo ser usado na música de uma cantora talentosa que vocês devem conhecer. Eu achei que tinha sido uma coisa muito boa que a palavra feminista estava sendo apresentada para uma nova geração, mas fiquei assustada com a quantidade de pessoas — muitas delas feministas acadêmicas — terem visto algo de problemático ou mesmo ameaçador nisso. Foi como se o feminismo devesse ser um culto elitizado com direitos autorais e filiação. Mas não deveria. Feminismo deveria ser um partido/festa inclusiva. Feminismo deveria ser um partido/festa cheio de diferentes feminismos. Então, Turma de 2015, por favor, vão lá fora fazer do feminismo um partido/festa barulhento e inclusivo.
As últimas 3 semanas foram as mais emocionalmente difíceis da minha vida. Meu pai tem 83 anos. Ele é um professor de estatística aposentado. Um homem simples, adorável e gentil. Eu sou absolutamente a xodó do papai. Há 3 semanas atrás, meu pai foi sequestrado perto de sua casa na Nigéria. E por alguns dias, eu e minha família vivemos um tipo de dor emocional que nunca tinha conhecido antes. Nós estávamos falando com estranhos ameaçadores no telefone, pedindo e negociando a segurança de meu pai, sem ter realmente certeza se ele estava vivo. Ele foi solto após o pagamento do resgate. Ele está bem. Ele está saudável e do seu jeito amoroso ele nos reafirma que sim, ele está bem.
Eu ainda não consigo dormir bem. Ainda acordo muitas vezes a noite, em pânico, preocupada que alguma coisa não esteja bem. Ainda não consigo olhar para meu pai sem lutar contra as lágrimas, sem sentir esse profundo alívio e gratidão que ele esteja a salvo, mas também sinto raiva que ele tenha passado por essa indignidade ao seu corpo e seu espírito. Essa experiencia me fez repensar muitas coisas. O que realmente importa ou não importa. O que eu valorizo ou não. E vendo vocês se formando hoje, eu insisto que vocês reflitam sobre isso um pouco mais. Pensem sobre o que importa para vocês. Pensem sobre o que vocês desejam que seja importante para vocês.
Eu li sobre essa adorável tradição que vocês tem aqui de chamar as alunas mais antigas de “irmãs mais velhas” e as alunas novas de “irmãzinhas”. Também li sobre a estranha tradição de ser jogada numa lagoa — eu não entendi essa —. mas de qualquer forma, gostaria muito de hoje ser a sua irmã mais velha honorária. O que significa que gostaria de lhes dar alguns conselhos como uma irmã mais velha faria.
No mundo inteiro, as meninas são ensinadas a serem agradáveis, a se moldarem em formas que agradem outras pessoas. Por favor, não se modifiquem para agradar outras pessoas. Não façam isso. Se alguém gosta dessa versão sua que é falsa e te diminui, essas pessoas gostam de uma forma vazia e não de você. E o mundo é tão gloriosamente vasto, multifacetado e diverso que certamente existem pessoas no mundo que vão gostar de você como você é.
Eu tenho sorte que minha escrita me deu esse espaço que eu escolhi usar para falar sobre as coisas que são importantes para mim. E eu já disse coisas que não são bem vistas por algumas pessoas. Já me mandaram ficar de boca fechada sobre algumas coisas, como minha posição sobre os direitos dos homossexuais no continente africano, ou sobre a minha crença na absoluta igualdade entre homens e mulheres. Eu não falo para provocar. Eu falo porque penso que o nosso tempo na Terra é muito curto e cada momento que não estamos sendo verdadeiros conosco, cada momento que fingimos ser o que não somos, cada momento que dizemos o que não acreditamos mas sim algo que imaginamos ser o querem que falemos, estamos perdendo tempo na Terra. Não quero soar esnobe, mas não percam seu tempo na Terra. Com apenas uma exceção. O único jeito aceitável de perder o seu tempo é comprando na internet.
Uma última coisa sobre minha mãe. Eu e minha mãe discordamos sobre muitas coisas quando o assunto é gênero. Existem algumas coisas que minha mãe acredita que uma pessoa deve fazer apenas “por ser mulher”. Como ocasionalmente acenar e sorrir, mesmo que sorrir seja a última coisa que se queira fazer. Como estrategicamente deixar de argumentar apenas porque a outra pessoa com quem se está discutindo não é uma mulher. Como casar e ter filhos. Eu penso que tudo isso pode ser feito por algumas boas razões, mas “porque você é uma mulher” não é uma delas. Então, Turma de 2015, nunca aceitem o “porque você é uma mulher” como uma razão para fazerem ou deixarem de fazer alguma coisa.
E, finalmente, eu gostaria de terminar esse discurso com uma menção especial sobre a coisa mais importante do mundo: amor. Atualmente, as garotas são frequentemente criadas para entenderem o amor apenas como doação. As mulheres se sentem realizadas com seu amor quando esse amor é um ato de doação. Mas amar é dar e também receber. Por favor, amem dando e recebendo. Dar e receber. Se você está apenas dando, sem receber, você saberá. Você sabe por meio daquela voz pequena e verdadeira que está dentro de você e que nós mulheres tão comumente somos ensinadas a calar. Não silencie essa voz. Ousem dizê-la. Parabéns!
Autora
Chimamanda Ngozi Adichie é autora de diversos livros, entre eles: Hibisco Roxo, Meio Sol Amarelo e Americanah. Já ganhou inúmeros prêmios literários, tendo seu trabalho traduzido para mais de 30 línguas. Atualmente, ela divide seu tempo entre os Estados Unidos e a Nigéria.